Noções Básicas de Cartografia

IV - PROCESSO CARTOGRÁFICO

Mapeamento: Entende-se por mapeamento a aplicação do processo cartográfico sobre uma coleção de dados ou informações, com vistas à obtenção de uma representação gráfica da realidade perceptível, comunicada a partir da associação de símbolos e outros recursos gráficos que caracterizam a linguagem cartográfica.

O planejamento de qualquer atividade que de alguma forma se relaciona com o espaço físico que habitamos requer, inicialmente, o conhecimento deste espaço. Neste contexto, passa a ser necessária alguma forma de visualização da região da superfície física do planeta, onde desejamos desenvolver nossa atividade. Para alcançar este objetivo, lançamos mão do processo cartográfico.

Partindo-se do conceito estabelecido pela ACI (vide 1.1), pode-se distinguir, no processo cartográfico, três fases distintas: a concepção, a produção e a interpretação ou utilização. As três fases admitem uma só origem, os levantamentos dos dados necessários à descrição de uma realidade a ser comunicada através da representação cartográfica.

1 - CONCEPÇÃO

Quando se chega à decisão pela elaboração de um documento cartográfico, seja uma carta, um mapa ou um atlas, é porque a obra ainda não existe, ou existe e se encontra esgotada ou desatualizada.

Para se elaborar um documento dessa natureza, é imprescindível uma análise meticulosa de todas as características que definirão a materialização do projeto.

1.1 - FINALIDADE

A identificação do tipo de usuário que irá utilizar um determinado documento cartográfico a ser elaborado, ou que tipo de documento deverá ser produzido para atender a determinado uso é que vai determinar se este será geral, especial ou temático, assim como a definição do sistema de projeção e da escala adequada.

1.2 - PLANEJAMENTO CARTOGRÁFICO

É o conjunto de operações voltadas à definição de procedimentos, materiais e equipamentos, simbologia e cores a serem empregados na fase de elaboração, seja convencional ou digital, de cartas e mapas gerais, temáticos ou especiais.

O planejamento cartográfico pressupõe, além da definição dos procedimentos, materiais, equipamentos e convenções cartográficas, o inventário de documentos informativos e cartográficos que possam vir a facilitar a elaboração dos originais cartográficos definitivos.

Após a decisão da necessidade da elaboração de um mapa, deve-se inventariar a melhor documentação existente, sobre a área a ser cartografada.

No caso de carta básica, recorre-se à coleta de dados em campo (reambulação), principalmente para levantar a denominação (toponímia) dos acidentes visando a complementação dos trabalhos executados no campo.

No caso do mapa compilado a documentação coletada terá vital importância na atualização da base cartográfica compilada.

2 - PRODUÇÃO

Aí estão incluídas todas as fases que compõem os diferentes métodos de produção. A elaboração da carta ou mapa planejado terá início com a execução das mesmas.

2.1 - MÉTODOS

2.1.1 - AEROFOTOGRAMETRIA

A fotogrametria é a ciência que permite executar medições precisas utilizando de fotografias métricas. Embora apresente uma série de aplicações nos mais diferentes campos e ramos da ciência, como na topografia, astronomia, medicina, meteorologia e tantos outros, tem sua maior aplicação no mapeamento topográfico.

Tem por finalidade determinar a forma, dimensões e posição dos objetos contidos numa fotografia, através de medidas efetuadas sobre a mesma.

Inicialmente a fotografia tinha a única finalidade de determinar a posição dos objetos, pelo método das interseções, sem observar ou medir o relevo, muito embora desde 1732 se conhecessem os princípios da estereoscopia; o emprego desta tornou possível apenas observar (sem medir), o relevo do solo contido nas fotografias analisadas estereoscopicamente.

Em 1901, o alemão Pulfrich, apoiando-se em princípios estabelecidos por Stolze, introduziu na Fotogrametria o chamado índice móvel ou marca estereoscópica. Então, não só foi possível observar o relevo, como medir as variações de nível do terreno.

Pulfrich construiu um primeiro aparelho que denominou "estereocomparador", e com ele iniciou os trabalhos dos primeiros levantamentos com base na observação estereoscópica de pares de fotografias utilizados em fotogrametria terrestre.

A partir de então uma série de outros aparelhos foram construídos e novos princípios foram estabelecidos, porém, para tomada de fotografias era necessário que os pontos de estação que referenciavam o terreno continuassem no solo, com todos os seus inconvenientes.

Ocorreu elevar ao máximo o ponto de estação, sendo utilizados balões, balões cativos e até "papagaios". Durante a guerra de 1914 - 1918 tornou-se imperioso um maior aproveitamento da fotogrametria, usando-se, para tomada de fotografias, pontos de estação sempre mais altos.

Com o advento da aviação desenvolveram-se câmaras especiais para a fotografia aérea, substituindo quase que inteiramente a fotogrametria terrestre, a qual ficou restrita apenas a algumas regiões. Quando são utilizadas fotografias aéreas, tem-se a aerofotogrametria.

Assim, aerofotogrametria é definida como a ciência da elaboração de cartas mediante fotografias aéreas tomadas com câmara aero-transportadas (eixo ótico posicionado na vertical), utilizando-se aparelhos e métodos estereoscópicos.

2.1.1.1 - VÔO FOTOGRAMÉTRICO

É realizado após um completo planejamento da operação, que é resultante de um estudo detalhado com todas as especificações sobre o tipo de cobertura a ser executado.

A tomada das fotografias aéreas obedece a um planejamento meticuloso e uma série de medidas são adotadas para que se possa realizar um vôo de boa qualidade. É necessário consultar o mapa climatológico para conhecimento do mês e dias favoráveis à realização do vôo fotogramétrico.

Um projeto de recobrimento é um estudo detalhado, com todas as especificações sobre o tipo de cobertura, por exemplo:

Condições naturais da região:

- Local a ser fotografado
- Área a fotografar
- Dimensões da área
- Relevo
- Regime de ventos
- Altitude média do terreno
- Variação de altura do terreno
- Mês para execução do vôo
- Nº de dias favoráveis ao vôo

Apoio logístico:

- Transporte
- Hospitais
- Alimentação

Condições técnicas (base e aeronave):

- Base de operação
- Alternativa de pouso
- Recursos na base
- Modelo da aeronave
- Autonomia
- Teto de serviço operacional
- Velocidade média de cruzeiro
- Tripulação

Condições técnicas (plano de vôo):

- Altura de vôo
- Altitude de vôo
- Escala das fotografias
- Superposição longitudinal
- Superposição lateral
- Câmara aérea
- Tipo e quantidade de filme empregado5
- Rumo das faixas
- Nº de faixas e nº de fotos
- Velocidade máxima (arrastamento)
- Tempo de exposição ideal
- Intervalo de exposição
- Distância entre faixas
- Base das fotos

OBS: As fotografias aéreas devem ser tomadas sempre com elevação do sol superior a 30º, em dias claros, nos quais as condições climáticas sejam tais que permitam fazer-se negativos fotográficos claros e bem definidos, isto é, bem contrastados.

2.1.1.2 - FOTOGRAMA

É a fotografia obtida através de câmaras especiais, cujas características óticas e geométricas permitem a retratação acurada dos dados do terreno, de forma que os pormenores topográficos e planimétricos possam ser identificados e projetados na carta, bem como forneçam elementos para a medição das relações entre as imagens e suas posições reais, tais como existiam no momento da exposição. O termo é empregado genericamente, tanto para os negativos originais, como para as cópias e diapositivos. Por extensão pode também ser aplicado à tradução fotográfica dos dados obtidos por outros sensores remotos que não a câmara fotográfica. O formato mais usual é o de 23 x 23 cm.

Uma carta topográfica é um desenho do terreno, em que os acidentes e detalhes são representados por símbolos convencionais. Uma fotografia aérea é um retrato da superfície da terra, em que esses acidentes e detalhes aparecem como são vistos da aeronave. As duas maneiras, embora diferentes, representam a mesma coisa.

Classificação das imagens;

a) Quanto à estação de tomada das fotos

1 - Fotografias aéreas: São tomadas a partir de aeronaves

2 - Fotografias ou imagens orbitais: São tomadas em plataformas a nível orbital. Por exemplo, as obtidas pelo laboratório espacial SKYLAB, utilizadas para fotointerpretação e fins militares e satélites orbitais com uma grande variedade de sensores (faixa do visível, infravermelho, microondas, etc.).

3 - Fotografias terrestres: São tomadas a partir de estações sobre o solo. Utilizadas para recuperação de obras arquitetônicas e levantamento de feições particulares do terreno, como pedreiras, encostas, etc.

b) Quanto à orientação do eixo da câmara/sensor

1 - Fotografia aérea ou imagem vertical: São assim denominadas aquelas cujo eixo principal é perpendicular ao solo. Na prática tal condição não é rigorosamente atingida em conseqüência das inclinações da aeronave durante o vôo. Esta não deve exceder a 3%, limite geralmente aceito para classificar-se uma fotografia como vertical.

2 - Fotografia aérea ou imagem oblíqua: São tomadas com o eixo principal inclinado. Seu uso restringe-se mais a fotointerpretação e a estudos especiais em áreas urbanas. Subdividem-se em baixa oblíqua e alta oblíqua.

3 - Fotografia terrestre horizontal: É aquela cujo eixo principal é horizontal.

4 - Fotografia terrestre oblíqua: quando o eixo principal é inclinado.

c) Quanto à característica do filme/sensor

1 - Imagens pancromáticas: São as de uso mais difundido, prestando-se tanto para mapeamento quanto para fotointerpretação.

2 - Imagens infravermelhas: Indicadas para mapeamento em áreas cobertas por densa vegetação, ressaltando as águas e, devido a isso, diferenciando áreas secas e úmidas.

3 - Imagens coloridas ou multiespectrais: Além da cartografia se aplica a estudos de uso da terra, estudos sobre recursos naturais, meio ambiente, etc.

As fotografias aéreas têm como aplicação principal, em cartografia, o mapeamento através da restituição fotogramétrica, sendo utilizadas também em fotointerpretação.

Fotointerpretação: É a técnica de analisar imagens fotográficas com a finalidade de identificar e classificar os elementos naturais e artificiais e determinar o seu significado.

Existem diferentes tipos de imagem, sendo a fotografia aérea apenas um dos vários tipos resultantes do sensoriamento remoto, o qual inclui também imagem de radar (microondas) e imagens orbitais (pancromáticas, coloridas, termais e infravermelhas).

2.1.1.2.1 - CÂMARAS FOTOGRAMÉTRICAS

As câmaras aerofotogramétricas subvividem-se em dois grandes grupos, classificados quanto ao seu uso e objetivos, a saber:

a) Câmaras terrestres

b) Câmaras aéreas

Ambos os tipos executam a mesma função fundamentalmente; entretanto, possuem diferenças acentuadas, dentre as quais as mais importantes são:

1º) A câmara terrestre, permanecendo estacionária durante a exposição, não necessita de grande velocidade na tomada da fotografia, assim sendo, não precisa de um sistema obturador muito sofisticado.

2º) A câmara aérea, ao contrário, se desloca durante a exposição, necessitando de objetivas adequadas, obturadores de alta velocidade e filmes de emulsão ultra-rápida, reduzindo a um mínimo o tempo de exposição, sem prejudicar a qualidade da imagem.

Classifica-se ainda as câmaras aéreas de acordo com o ângulo que abrange a diagonal do formato, ângulo este que define a cobertura proporcionada pela câmara:

- Ângulo normal: até 75º - Para abranger uma área a uma determinada altura de vôo.

- Grande angular: de 75º até 100º - A altura de vôo será menor, com menor distância focal (f).

- Super grande angular: maior que 100º - A altura de vôo e a distância focal serão ainda menores.

Também são classificadas pela distância focal da objetiva:

- Curta: até 150 mm

- Normal: de 150 a 300 mm

- Longa: acima de 300 mm

2.1.1.2.2 - ESCALA FOTOGRÁFICA

A escala fotográfica é definida como sendo a relação entre um comprimento de uma linha na fotografia e a sua correspondente no terreno.


Figura 4.1. - Geometria básica de uma fotografia aérea

Considerando a Figura , nota-se que os raios de luz refletidos do terreno passam pelo eixo ótico da lente. O eixo ótico e o plano do negativo são perpendiculares, assim como o eixo ótico e o plano do terreno. Desta forma, o ponto principal da fotografia e o ponto Nadir representam o mesmo ponto.

Pode-se afirmar que os triângulos NOA e noa são semelhantes, assim, pode-se calcular a escala da fotografia usando essa semelhança de triângulos. Existem três elementos: a medida na foto, a medida no terreno e a escala conhecida ou a determinar.

A escala mantém a seguinte relação com os triângulos semelhantes:

        
E =   na =   oa      =  no
        NA     OA        NO

Onde:
AN = distância real
an = distância na fotografia
NO = altura de vôo = H
no = distância focal = f

Assim, a escala da fotografia pode ser determinada conhecendo-se a distância focal e a altura de vôo.

E  =   no    =     f 
         NO         H

Ou ainda através de uma distância na fotografia entre dois pontos a e b quaisquer e a sua respectiva medida no terreno.

E   =   ab
          AB

Exemplo: Em um recobrimento aéreo, a uma altura de vôo igual a 6.000 m, utilizando-se uma câmara com distância focal de 100 mm, a escala da fotografia será:

E  =     =        100 mm        =       1       
         H          6.000.000mm        60.000

2.1.1.3 - COBERTURA FOTOGRÁFICA

É a representação do terreno através de fotografias aéreas, as quais são expostas sucessivamente, ao longo de uma direção de vôo. Essa sucessão é feita em intervalo de tempo tal que, entre duas fotografias haja uma superposição longitudinal de cerca de 60%, formando uma faixa. Nas faixas expostas, paralelamente, para compor a cobertura de uma área é mantida uma distância entre os eixos de vôo de forma que haja uma superposição lateral de 30% entre as faixas adjacentes. Alguns pontos do terreno, dentro da zona de recobrimento, são fotografados várias vezes em ambas as faixas.

 


Figura 4.2 - Vôo fotogramétrico


Figura 4.4 - Recobrimento lateral


Figura 4.5 - Perspectiva de 04 faixas de vôo

O recobrimento de 60% tem como objetivo evitar a ocorrência de "buracos" (área sem fotografar) na cobertura. Estes podem ocorrer principalmente devido às oscilações da altura de vôo e da ação do vento.


Figura 4.6 - Recobrimento com a ocorrência de deriva e desvio


Figura 4.7 - Efeitos da deriva e desvio

2.1.1.4 - PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO FOTOGRAMÉTRICA

É o conjunto de operações cuja finalidade é coletar, avaliar, analisar e organizar toda a documentação existente para projetos de mapeamento topográfico, a partir de insumos aerofotogramétricos.

-Inicialmente faz-se o planejamento e organização do material fotogramétrico (vôo, fotoíndice, fotografias aéreas e diafilmes) da área a ser mapeada, separando-se três coleções de fotografias e uma de diafilmes, com a seguinte finalidade:

. Uma coleção de fotografias para o apoio de campo.
. Uma coleção de fotografias para a reambulação (levantamentos em campo da toponímia dos acidentes).
. Uma coleção de fotografias e diafilmes para o apoio fotogramétrico.

Através do fotoíndice visualiza-se a direção de vôo, identificando-se as fotos e procedendo-se a análise das superposicões longitudinal e lateral.

Coleta-se a documentação existente para o preparo da pasta de informações cartográficas (PIC), que conterá listagens de cidades e vilas, áreas especiais, minas, usinas, portos, faróis, aeródromos, mapas do sistema viário, mapas municipais, reservas, parques nacionais e outros.

Esquema de Apoio de Campo e Reambulação: Em uma base preestabelecida (normalmente em esc. 4 vezes menor que a escala da foto), é construido um esquema indicando a posição relativa das fotografias distribuindo-se as fotos ímpares de cada faixa e desenhando-se os principais acidentes, visando facilitar a orientação nos trabalhos de campo. Indica também a posição relativa dos pontos a serem determinados no campo.

- No preparo para reambulação, são delimitadas estereoscopicamente, nas fotografias, as áreas a serem reambuladas.

- O preparo para o apoio suplementar consiste em distribuir o apoio horizontal (H) e vertical (V). O horizontal é materializado nas fotos na periferia do bloco, buscando-se locais que permitam acesso para as medições de campo. O vertical, nas áreas de superposição lateral das faixas. Nas fotografias são definidas áreas dentro das quais será escolhido o ponto para o apoio de campo.

Esquema de Apoio Fotogramétrico: Servirá de orientação para as atividades de aerotriangulação. Esse esquema é feito tomando-se por base o apoio de campo. Não são representados os campos das fotos, limitando-se a apresentar o ponto central das mesmas e a linha de vôo de cada faixa.

- No preparo para o apoio fotogramétrico, é delimitada a área útil para escolha dos pontos de apoio: de apoio suplementar e perfuração dos pontos, nos diafilmes, visando auxiliar os trabalhos de aerotriangulação e restituição.

Concluidas estas operações, o material de apoio suplementar e reambulação é encaminhado para os trabalhos de campo. O material de apoio fotogramétrico (fotos e diafilmes) são enviados para a aerotriangulação.

2.1.1.5 - APOIO SUPLEMENTAR ( APOIO DE CAMPO )

É o conjunto de pontos a ser determinado no campo, definido por suas coordenadas planimétricas e altimétricas. Estes pontos, com a finalidade de fornecer subsídios aos trabalhos de aerotriangulação e restituição fotogramétrica, tem respectivas identificações nas fotos e são dimensionados previamente em gabinete através de fórmulas matemáticas, que estabelecem as distâncias dos pontos de apoio a serem determinados em campo.

2.1.1.6 - REAMBULAÇÃO

É o trabalho realizado em campo, com base em fotografias aéreas, destinada à identificação, localização, denominação e esclarecimentos de acidentes geográficos naturais e artificiais existentes na área da fotografia, mesmo que nela, não apareçam por qualquer motivo (nuvens, sombra, vegetação, existência mais recente, etc.)

A reambulação é uma fase da elaboração cartográfica, na qual são levantados em campo as denominações dos acidentes naturais e artificiais que complementarão as cartas a serem impressas.

A quantidade de elementos a serem colhidos no campo, está relacionada diretamente com a escala e a finalidade da carta ou mapa. No entanto, em regiões com pouca densidade de elementos todos devem der reambulados, independentes da escala.

2.1.1.7 - AEROTRIANGULAÇÃO

É o método fotogramétrico utilizado para determinação de pontos fotogramétricos, visando estabelecer controle horizontal e vertical através das relações geométricas entre fotografias adjacentes a partir de uma quantidade reduzida de pontos determinados pelo apoio suplementar, com a finalidade de densificar o apoio necessário aos trabalhos de restituição, após ajustamento.

Os pontos fotogramétricos foram planejados, perfurados, codificados mas não possuem coordenadas, e os pontos de apoio de campo foram planejados, codificados e medidos no campo, possuindo coordenadas referidas ao sistema terrestre. Na seqüência, todos os pontos de apoio fotogramétrico e de campo receberão coordenadas instrumentais (x, y, z), de forma que todo o conjunto esteja referido a um sistema instrumental.
Para gerar essas coordenadas são realizadas as orientações interior e exterior relativa.

Ajustamento: Utilizando-se um programa de cálculo e ajustamento que recebe como dados de entrada as coordenadas instrumentais, obtém-se as coordenadas ajustadas para todos os pontos do bloco, referidas ao sistema terrestre. O programa realiza uma transformação de sistemas de forma que os pontos de gabinete (apoio fotogramétrico) que possuiam somente coordenadas instrumentais passem a ter também coordenadas do sistema de projeção adotado para a carta UTM.

Plotagem: Com esse conjunto de coordenadas UTM procede-se então a plotagem de todos os pontos em material plástico estável, na escala desejada. Esse plástico conterá ainda "cruzetas" referenciais das coordenadas geográficas e das coordenadas UTM. O nome dado a esse plástico é estereominuta ou minuta de restituição .

2.1.1.8 - RESTITUIÇÃO

É a elaboração de um novo mapa ou carta, ou parte dele, a partir de fotografias aéreas e levantamentos de controle, por meio de instrumentos denominados restituidores, ou seja, é a transferência dos elementos da imagem fotográfica para a minuta ou original de restituição, sob a forma de traços.

Através de um conjunto de operações denominado ORIENTAÇÃO, reconstitui-se, no aparelho restituidor, as condições geométricas do instante da tomada das fotografias aéreas, formando-se um modelo tridimensional do terreno, nivelado e em escala - modelo estéreoscópico.

- Orientação interior: É a reconstituição da posição da foto em relação ao feixe perspectivo (é a colocação do diafilme na posição correta, independente de coordenadas), a partir do conhecimento da distância focal ( f ) e das coordenadas do ponto principal.
- Orientação exterior: Depende do referencial externo e é realizada em duas etapas.

- Relativa: Orientação do feixe perspectivo em relação ao seu homólogo, através de cinco parâmetros de orientação.

K - ângulo em torno do eixo z (desvio da rota)
j - ângulo em torno do eixo y (inclinação do nariz)
w - ângulo em torno do eixo x (inclinação da asa)
Dz - diferença de altura de vôo
Dy - deslocamento lateral
Dx - não é calculado, é a distância entre as estações (bx)

- Absoluta: Consiste no posicionamento do conjunto de feixes perspectivos formados durante a orientação relativa, de maneira a estabelecer a posição correta do modelo em relação ao terreno, bem como no dimensionamento correto de sua escala.

- Colocar em escala: Através de pontos no terreno (2) com coordenadas plano altimétricas conhecidas e identificadas nas fotos.

- Nivelar: Através de 3 pontos nivelados, focados e em escala, todos os outros pontos também estarão. É recomendável, entretanto, utilizar-se 4 ou 5 pontos, por medida de segurança.

Após a orientação, verifica-se o resultado obtido, de acordo com tolerâncias estabelecidas e procede-se então a operação de restituição.

Fases da restituição (confecção da minuta):

                       Rios permanentes e intermitentes
a) Hidrografia   Massa d’ água (açudes, represas, lagos, lagoas, etc.

                    Sistema viário
                    Vias de transmissão e comunicação
b) Planimetria Edificações
                    Pontes, escolas, igrejas, cemitérios,etc.

                  Curvas de nível
c) Altimetria Cotas de altitude
                  Curvas batimétricas,etc.

Restituidor: É o nome dado tanto ao instrumento que se destina a realizar a restituição como ao seu operador.

Diapositivo / Diafilme: É a cópia em vidro ou filme transparente do fotograma, que se destina ao uso nas operações de restituição e aerotriangulação.

Estereoscopia: É a reprodução artificial da visão binocular natural. É a observação em 3ªdimensão de objetos fotografados em ângulos distintos (visto de centros perspectivos diferentes), por intermédio de instrumentos óticos dotados de lentes especiais como, por exemplo, o estereoscópio.

Estereoscópio: Instrumento ótico capaz de permitir artificialmente a observação em 3ª dimensão das imagens que diante das lentes parecem estar situadas no infinito.

Dessa forma, o observador recebe duas imagens homólogas de um mesmo objeto, um em cada olho, e o cérebro as funde em uma única imagem, estereoscopicamente.

Modelo estereoscópico: É o modelo tridimensional em escala. do terreno, obtido pela superposição ótica parcial de dois fotogramas tomados de dois centros perspectivos distintos, e uma vez restauradas as posições relativas de ambos quando das tomadas das fotografias.

Minuta ou estereominuta (original de restituição): Em fotogrametria, denomina-se minuta (ou estereo-minuta) o traçado, executado em instrumento fotogramétrico conhecido como restituidor, resultante das fotografias aéreas orientadas no instrumento, mediante os pontos nela marcados através da aerotriangulação. Esse traçado é executado sobre uma base estável.
São produzidas também outras folhas em material transparente que vão constar nomenclatura, vegetação e vias.

2.1.2 - COMPILAÇÃO

É o processo de elaboração de um novo e atualizado original cartográfico, tendo por base a análise de documentação existente, e segundo a qual um ou vários mapas e cartas, fotografias aéreas, levantamentos, etc., são adaptados e compilados, em base com material estável, e para escala e projeção únicas.

2.1.2.1 - PLANEJAMENTO

É a operação voltada ao inventário de documentação, planificação do preparo de base e elaboração da pasta de informacões cartográficas (PIC), formando um conjunto de documentos cartográficos, informações básicas e complementares, destinadas à confecção de cartas e mapas através da compilação.

2.1.2.1.1 - INVENTÁRIO DA DOCUMENTAÇÃO

Os dados cartográficos são analisados conforme as características das informações apresentadas.

a) Documentacão Básica - É utilizada diretamente na elaboração da base cartográfica:

- Cartas Topográficas
- Recobrimento Topográfico Local
- Recobrimento Aerofotogramétrico
- Cartas Náuticas e Aeronáuticas
- Arquivo Gráfico Municipal (AGM)
- Arquivo Gráfico de Áreas Especiais (AGAE)
- Cartas Planimétricas RADAMBRASIL
- Mapas Municipais
- Imagens Orbitais

b) Documentação Informativa - É utilizada com a finalidade de identificar, complementar e atualizar a documentação básica.

- Mapas Rodoviários (DNER/DER)
- Guias Rodoviários (Quatro Rodas)
- Guia de Ferrovias
- Atlas Físico
- Cadastro de Cidades e Vilas
- Cadastro de Faróis, Minas, Aeródromos e Portos


2.1.2.1.2 - PLANIFICAÇÃO DO PREPARO DE BASE

Após análise e seleção do conjunto de dados disponíveis, inicia-se uma seqüência de procedimentos na qual destacam-se as seguintes etapas:

a) Classificação da Documentação - É a análise de toda a documentação cartográfica encontrada, separando-se a básica da informativa.

b) Definição do Método de Compilação - Classificados os documentos cartográficos, define-se o método de compilação a ser utilizado na elaboração da base:

- Método de Compilação Direta
- Método de Compilação com Redução Fotográfica

2.1.2.1.3 - PASTA DE INFORMAÇÕES CARTOGRÁFICAS (PIC)

Reúne toda a documentação relativa ao planejamento e elaboração da carta ou mapa. São informações referentes às atividades e procedimentos adotados durante todas as fases do trabalho, tais como: relatórios, formulários, quadros demonstrativos, notas, etc.

2.1.2.2 - CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO DA BASE CARTOGRÁFICA

2.1.2.2.1 - SELEÇÃO CARTOGRÁFICA

É a simplificação dos elementos topográficos extraídos da documentação básica visando a escala final do trabalho. A seleção deve ser equilibrada e a densidade dos elementos topográficos a serem representados devem refletir as características básicas da região, mantendo as feições do terreno. A representação deve incluir todos os elementos significativos para a escala final do trabalho, sem comprometer a legibilidade da carta.

a) Hidrografia - Inclui todos os detalhes naturais e/ou artificiais, tendo a água como principal componente.

b) Planimetria - A seleção dos elementos planimétricos deve ser criteriosa, considerando-se:

- Localidades: É obrigatória a representação de todas as cidades e vilas no campo da folha. Conforme a região geográfica, podem ser selecionados os povoados, lugarejos, núcleos e propriedades rurais.

- Sistema Viário: As rodovias e ferrovias são selecionadas considerando-se a interligação das localidades selecionadas

OBS: Nesta fase de seleção são incluídos os pontos cotados que serão selecionados, visando a representação da malha de pontos que representarão a variação de altitude.

c) Altimetria - Representa o relevo através de convenções cartográficas na forma de curvas de nível, escarpas, etc.

- Generalização: É a simplificação da forma geométrica dos acidentes, sem descaracterizá-los, possibilitando sua representação numa escala menor ao do documento origem.

- Interpolação: É a inserção de curvas de nível de cota definida e diferente da eqüidistância das curvas da documentação básica, visando a composição do modelado terrestre.

d) Vegetação - É feita separadamente a partir da documentação topográfica básica em base de poliéster, considerando-se como elementos de seleção as matas, florestas, reflorestamentos, culturas temporárias e permanentes, campos e mangues.

2.1.2.2.2 - PROCESSOS DE COMPILAÇÃO

a) Compilação Direta - Processo utilizado quando a documentação básica é composta de cartas cuja escala é a mesma da base final. Assim, a compilação é feita diretamente sobre as cartas, sem necessidade de seleção e redução.

b) Compilação com Redução Fotográfica - Este processo é utilizado quando a documentação básica é composta de cartas cuja escala é maior que a escala da base final.

- Com Redução Direta: A documentação básica é reduzida diretamente para a escala da base final do trabalho. As reduções são montadas no verso da plotagem da projeção e então, são selecionados os elementos topográficos. Neste processo o compilador executa simultaneamente a seleção e compilação

- Com Seleção: Os elementos são selecionados sobre uma base em poliéster e depois reduzidos fotograficamente para a escala final de trabalho. As reduções são fixadas no verso da plotagem da projeção e executa-se a compilação.

OBS: 1) Recomenda-se a utilização destes processos quando a região mapeada apresentar baixa densidade de detalhes.

2) Em caso de redução fotográfica, não deve ser ultrapassado o limite de cinco vezes.

- Ajuste Cartográfico: É necessário na elaboração de bases por compilação, em função das diferenças apresentadas pelas reduções dos originais cartográficos em relação à plotagem da projeção. Estas diferenças geralmente são resultantes do material usado para seleção (folhas impressas), das diversas projeções utilizadas e/ou meridianos centrais diferentes dos referenciados para cálculo das projeções. Nestes casos, a divergência apresentada deverá estar dentro do padrão de exatidão para a escala de trabalho. Atendendo a esta condição, a cada quadrícula ajusta-se a redução, de forma que a diferença seja distribuida dentro da mesma e, conseqüentemente, dentro de toda a folha.

- Atualização da base: Na fase de planejamento, devem ser coletados todos os documentos existentes na área a ser trabalhada, como imagens orbitais, cadastro de cidades e vilas,etc.. As imagens orbitais são importantes ferramentas para a atualização, em função da periodicidade da sua tomada.

2.1.2.3 - ATUALIZAÇÃO CARTOGRÁFICA

A carência de mapeamento no Brasil, principalmente em escalas grandes, é agravada pelo fato de grande parte encontrar-se desatualizado, fazendo com que a sua utilização não alcance os objetivos para os quais foram elaborados.

Os métodos para produção de mapas, assim como para atualização cartográfica evoluíram gradativamente com o advento de novos processos tecnológicos, principalmente na área da informática com o mapeamento digital, a utilização de Sistemas de Posicionamento Global (GPS), tratamento digital de imagens e Sistemas de Informação Geográfica (SIGs).

É indiscutível a importância do sensoriamento remoto para a cartografia. A agilidade e a redução de custos obtidos através da utilização de imagens orbitais para atualização cartográfica vem acompanhadas de uma qualidade cada vez maior no que diz respeito à resolução espacial e multiespectral de alta tecnologia, atendendo aos requisitos de precisão planimétricas exigidos para as escalas do mapeamento sistemático. Deve-se ressaltar o menor custo aquisição de imagens se comparado a realização de novo recobrimento aéreo.

2.1.2.3.1 - ALGUNS MÉTODOS PARA ATUALIZAÇÃO CARTOGRÁFICA

Os principais métodos de atualização de cartas utilizam documentação cartográfica existente como: fotografias aéreas e imagens orbitais, sendo que o trabalho de campo continua sendo necessário tanto para identificação de elementos nas áreas acrescidas (reambulação) como para solução de problemas de interpretação. Outro método é por meio de determinações GPS (utilizado pelo México na atualização da base territorial e agora pelo IBGE, no Censo 2000)

2.1.2.3.1.1 - ATRAVÉS DE FOTOGRAFIAS AÉREAS

a) Através de instrumentos como "aerosketchmaster" e interpretoscópio, por exemplo, pode-se atualizar pequenas áreas onde o volume de novos dados é pequeno em relação ao volume de informações contidas no mapa a ser atualizado.

O primeiro possibilita a transferência de detalhes da foto atual para o mapa. O segundo pode ser utilizado para o caso da foto atual estar em escala diferente da foto ou carta a atualizar.

b) Os restituidores são utilizados principalmente na atualização onde o fator precisão é requerido e onde grandes áreas são envolvidas.

c) Em função de seus recursos de ampliação e redução, a ortofoto é um meio utilizado na atualização planimétrica, pois podem ser produzidas na mesma escala do mapa a ser atualizado.

d) Os recursos da informática estão presentes atualmente em todas as etapas da cartografia. Na atualização digital, num dos procedimentos, a foto atual e o mapa a ser atualizado são transformados em arquivos digitais e superpondo-se as imagens, pode-se detectar as modificações ocorridas e efetuar-se as alterações.

2.1.2.3.1.2 - ATRAVÉS DE DOCUMENTAÇÃO CARTOGRÁFICA

O método utilizado para atualização a partir de documentação cartográfica existente e denominado compilação visa essencialmente analisar os documentos cartográficos já existentes em outros órgãos que trabalham na produção de cartas e mapas.

Os métodos que envolvem a atualização cartográfica através de documentação já existente, vão desde os chamados métodos convencionais até os modernos que se utilizam da cartografia digital.

- Cartas já existentes

a) Se a escala da carta se aproxima do produto final, basta selecionar os elementos cartográficos, reduzir e gerar uma folha original para orientar o preparo para impressão, o qual vai utilizar os fotoplásticos já existentes.

b) Se a escala for muito grande (semicadastro), deve ser levada primeiramente para uma escala intermediária.

Ex: Escala de 1:10.000 para 1:250.000, a escala intermediária será de 1:100.000.

2.1.2.3.1.3 - ATRAVÉS DE IMAGENS ORBITAIS E RADARMÉTRICAS

a) IMAGENS ANALÓGICAS

Pouco depois do lançamento do primeiro satélite LANDSAT já se buscava avaliar a possibilidade de atualização de cartas e mapas através de imagens pelo sensor MSS (pixel/resolução espacial de 80m). Estudos na década de 80, levaram a constatação da viabilidade do uso de Imagem MSS para mapeamento na escala 1:250.000.

Por ocasião do surgimento do sensor TM a bordo do satélite LANDSAT-5, com pixel/resolução espacial de 30m, realizaram-se diversas avaliações de suas imagens, mostrando que são viáveis para mapeamento nas escalas 1:100.000 ou menores.

b) IMAGEM DIGITAL

As metodologias para atualização cartográfica no formato digital encontram-se em constante desenvolvimento compreendendo as seguintes fases básicas:

- Correção geométrica e georreferenciamento.
- Ajuste de contraste das imagens que compõem uma carta e mosaicagem.
- Recorte segundo o contorno da carta.
- Atualização dos elementos cartográficos da carta digital com base na interpretação da imagem resultante da etapa anterior, através de superposição com a carta.

2.1.2.3.2 - COMPILAÇÃO DA BASE

A linha de obtenção de bases cartográficas por compilação é única, embora, em função da apresentacão final do trabalho, exista uma orientação diferenciada na sua elaboração.
Principais segmentos de representação de bases cartográficas:

a) Bases Para Impressão Off-set - São elaboradas considerando-se a separação dos elementos topográficos em suas cores características, representando-os conforme a impressão.
A compilação da base será executada sobre uma prancha plotada com a projeção UTM, em material estável, ajustando-se no verso as reduções ou elementos básicos na escala.

b) Bases para Conversão para Ambiente Digital (Digitalização Automatizada) - São obtidas pelos mesmos procedimentos necessários à elaboração de bases para impressão, ou seja, seleção e redução fotográfica das cartas topográficas em escala maior e compilação dos elementos topográficos. As bases são elaboradas em computador, a partir de mapas e cartas digitalizadas (mapas convertidos através de sistema CAD gerando arquivos magnéticos) e compilados utilizando-se aplicativos apoiados por computador. Os originais de compilação devem ser preparados separando-se os grupos de representação em categorias de informação, armazenadas por níveis, quando do processo de digitalização.

- Nível 1: hidrografia
- Nível 2: planimetria
- Nível 3: vias
- Nível 4: altimetria
- Nível 5: vegetação

c) Bases Para Desenho Final - São bases planimétricas compiladas em material estável utilizando-se somente a cor preta. Os procedimentos necessários à elaboração destas bases são os mesmos que para impressão, ou seja, seleção e redução fotogramétrica das cartas topográficas em escala maior.

2.1.2.4 - ORGANIZAÇÃO DA BASE E APRESENTAÇÃO FINAL

2.1.2.4.1 - ORGANIZAÇÃO DA BASE COMPILADA

Consiste do conjunto de folhas onde constarão as informações que serão utilizadas na fase de separação de cores e toponímia visando a impressão off-set.

- Folha de nomenclatura
- Folha de classificação de vias
- Folha de vegetação e massa d’água
- Lista de Nomenclatura

2.1.2.4.2 - DESENHO

Com a finalidade de atender a projetos especiais, onde são assentados temas específicos sobre as bases cartográficas elaboradas por processos de compilação, elabora-se o original de desenho dando um tratamento diferenciado, tanto pelo material utilizado (normógrafo, plástico UC4, tinta, etc.), como a forma de apresentação e identificação dos elementos.

Fases do desenho - Nesta fase, todo o trabalho já estará planejado, e definidos os critérios de seleção, compilação e a PIC, com a projeção cartográfica plotada. Nestas bases, não estarão representados os elementos altimétricos.

Representam-se:

- Hidrografia
- Planimetria:
. Localidades
. Sistema Viário
. Construções, Obras Públicas e Industriais
. Limites

2.2 - PREPARO PARA IMPRESSÃO

É a etapa da produção cartográfica convencional onde os originais que reproduzem todos os elementos constantes nas fotografias aéreas (restituição) e oriundos de outros documentos cartográficos (compilação), são tratados e disponibilizados para a impressão.

2.2.1 - LABORATÓRIO FOTOCARTOGRÁFICO

Um órgão cartográfico que precise dispor de uma estrutura independente para a produção dos seus originais, necessita de um laboratório fotocartográfico.

No laboratório fotografa-se o original cartográfico (original de restituição ou compilação) nas suas exatas dimensões para a obtenção inicial de um negativo.

Através do negativo, transporta-se por meio fotoquímico as imagens do original cartográfico para o fotoplástico (plástico estável que possui uma face brilhante e a outra recoberta com uma fina e uniforme camada de tinta fosca).

2.2.2 - GRAVAÇÃO /SEPARAÇÃO DE CORES DOS ELEMENTOS

Na face fosca do fotoplástico, isto é, a que recebeu uma camada apropriada, os elementos do original cartográfico transportados são abertos ou gravados através dos carrinhos de gravação. Retirada essa camada, os elementos gravados permitirão a passagem de luz, funcionando como um negativo.

Para as folhas topográficas são produzidos três fotoplásticos, um para cada tipo de representação correspondentes às cores:

a) Azul - elementos hidrográficos

b) Preto - moldura, quadriculados, sistemas viário, limites, etc.

c) Sépia - curvas de nível

No fotoplástico (scribe-coat) são executadas as representações com traço, isto é, somente linhas são gravadas. Para representação de áreas é usado um outro tipo de plástico estável no qual se acha aderida uma leve película opaca, facilmente removível, conhecido como peel-coat.
A película, ao redor dos elementos, é cortada e levantada, ficando transparente.

a) Azul - para representar as massas d'água

b) Vermelho - para representar estradas e áreas edificadas

c) Verde - Para representar a vegetação

Com os fotoplásticos (scribe-coats) e peel-coats é gerada em laboratório, a chamada primeira prova química, que reproduz todos os elementos já em sua cor definitiva.

2.2.3 - COLAGEM (Fixação de Topônimos)

É a aplicação de todos os nomes que vão constar na carta ou mapa e parte da simbologia e convenções, tendo como base o original cartográfico e as demais folhas (nomenclatura, vegetação e sistema viário).

Os nomes são confeccionados com tipos e corpos apropriados que variam de acordo com a escala, em um finíssimo plástico transparente recebendo no verso, uma camada de adesivo. Esses nomes são retirados e "colados" em uma folha estável, de maneira a identificar/denominar todos os elementos naturais e artificiais.

Após a colagem são produzidos em laboratório, três negativos, para os nomes que sairão nas cores azul, preto e sépia, para o caso das folhas topográficas.
No geral, produz-se tantos negativos quantas forem as cores utilizadas.
Para algumas escalas é produzida também uma folha de colagem para o verso da carta e conseqüentemente, mais um negativo.

2.2.4 - SELEÇÃO DE CORES DA TOPONÍMIA E GERAÇÃO DE POSITIVOS PARA IMPRESSÃO OFF-SET

Nos negativos constarão todos os nomes que foram colados, sendo necessário selecionar-se, com tinta apropriada, os nomes referentes a cada cor.

A seguir produz-se uma 2ª prova química, que consiste em todos os elementos constantes na 1ª só que com o acréscimo de toda a nomenclatura.

Após uma revisão e correção são gerados então, através dos fotoplásticos, peel-coats e negativos, os positivos litho, chamados de fotolitos.

É produzido um positivo para cada cor, que depois de submetidos à um controle de qualidade são finalmente liberados para a impressão gráfica obtendo-se assim o produto final cartográfico, ou seja, as cartas ou mapas.

2.3 - CARTOGRAFIA TEMÁTICA

Os produtos da cartografia temática são as cartas, mapas ou plantas em qualquer escala, destinadas a um tema específico. A representação temática, distintamente da geral, exprime conhecimentos particulares específicos de um tema (geologia, solos, vegetação, etc.) para uso geral.

A cartografia temática ilustra o fato de que não se pode expressar todos os fenômenos num mesmo mapa e que a solução é, portanto, multiplicá-los, diversificando-os. O objetivo dos mapas temáticos é o de fornecer, com o auxílio de símbolos qualitativos e/ou quantitativos dispostos sobre uma base de referência, geralmente extraída dos mapas e cartas topográficas, as informações referentes a um determinado tema ou fenômeno que está presente ou age no território mapeado.

Os mapas e cartas geológicas, geomorfológicas, de uso da terra e outras, constituem exemplos de representação temática em que a linguagem cartográfica privilegia a forma e a cor dos símbolos como expressão qualitativa.

A descrição qualitativa é aquela que denota qualidade, ou seja, cada uma das circunstâncias ou características dos fenômenos (aspectos nominais do fenômeno) são classificadas segundo um determinado padrão. (Figura 4.8).

Os mapas de densidade da população, de precipitação pluviométrica, de produção agrícola, de fluxos de mercadorias, constituem exemplos em que pontos, dimensões dos símbolos, isarítmas, corópletas, diagramas e outros recursos gráficos são utilizados para representar as formas de expressão quantitativa.

A descrição quantitativa, mensura o fenômeno através de uma unidade de medida ou através de um percentual. (aspecto ordinal do fenômeno) (Figura 4.9).

2.3.1 - CARACTERÍSTICAS TEMÁTICAS

Na elaboração de um mapa temático são estabelecidos limites a partir dos dados que lhe são pertinentes, não importando a forma pelas quais foram obtidos, nem como foram consagrados os elementos que são concernentes à ciência ou técnica específica do tema em estudo. É pertinente à Cartografia Temática, quais as características dos dados a serem representados, se são físicos e/ou estatísticos e a forma como estes devem ser graficamente representados e relacionados com a superfície da Terra.

Como exemplos podemos citar não ser uma preocupação da Cartografia Temática, como a geologia estabelece a datação das rochas, a existência de falhas e desdobramentos, ou como a demografia estabelece suas variáveis quanto as aglomerações urbanas.

O objetivo da Cartografia Temática é como melhor proceder para que o mapa expresse os fatos e fenômenos, objeto do estudo relacionado ao tema. A ciência pertinente a um determinado tema visa o conhecimento da verdade desses fatos e fenômenos e à Cartografia Temática cabe demonstrá-lo graficamente, sendo portanto um meio auxiliar dessa ciência ,tais como: geologia, geomorfologia, metereologia, geografia, demografia entre tantas outras

2.3.2 - CLASSIFICAÇÃO

Classificar o ramo da Cartografia quanto ao seu produto final, não tem sido matéria de conclusão unânime. Esta classificação está mais ligada ao desenvolvimento da Cartografia em determinados países do que a um conceito universalmente aceito. De um modo geral não são classificados quanto à escala, formato ou representação cartográfica, mas sim ao conteúdo temático.

Neste mister a cartografia deixa de restringir-se a representação geral dos aspectos topográficos da superfície da terra, seja na parte exclusivamente planimétrica ou na plano-altimétrica, e presta sua contribuição ao processo criativo da sociedade e ao próprio amadurecimento de suas técnicas e métodos científicos, como ferramenta auxiliar de outras ciências.

O uso de mapas para conhecimentos específicos, como a navegação aérea e marítima, a meteorologia e o turismo, por exemplo, determinou o aparecimento dos mapas e cartas especiais.

Já no final do século passado, a cartografia geológica constituía-se em uma particularidade, impulsionando mesmo a cartografia topográfica. Hoje, a diversidade de tipos de mapas vem pressionando a Cartografia a não poder mais ser estudada sem uma sistematização em suas formas de representação.

Com a expansão dos mais variados temas ocorre uma superposição de termos. Assim, usa-se para as cartas aeronaúticas, mapas do tempo, de clima, cartas naúticas e oceonográficas, mapas turísticos e de comunicação, bem como os geológicos, cobertura vegetal, morfológicos, econômicos, etc., a denominação, indistintamente de " Especiais" e "Temáticos". Portanto não há somente uma sobreposição das duas expressões mas também uma tendência de distinguí-las para conter tipos de mapas que compõem a Cartografia Especial de outros que pertencem a Cartografia Temática.

Classificação da Cartografia:

DIVISÃO SUBDIVISÃO OBJETIVO BÁSICO EXEMPLOS
Geral - Cadastral
- Topográfica
- Geográfica
Conhecimento da superfície topográfica, nos seus fatos concretos, os acidentes geográficos naturais e as obras do homem. Plantas de cidades; Cartas de mapeamento sistemático; Mapas de países; continentes; Mapas-múndi.
Especial - Aeronáutica
- Náutica
- Metereológica
- Turística
- Geotérmica
- Astronômica
etc...
Servir exclusivamente a um determinado fim; a uma técnica ou ciência Cartas aeronáuticas de vôo, de aproximação de aeroportos; Navegação marítima; Mapas do tempo, previsão; Mapa da qualidade do subsolo para construção, proteção de encostas.
Temática - de Notação
- Estatística
- de Síntese
Expressar determinados conhecimentos particulares para uso geral Mapa geológico, pedológico; Mapas da distribuição de chuvas, populações; Mapas econômico zonas polarizadas.

A Cartografia Temática sobre a visão conceitual do cartógrafo Rodolfo Barbosa (3), classifica os Mapas Temáticos em três tipos;

- De notação.

Este primeiro grupo registra os fenômenos na sua distribuição espacial, sob a forma de cores ou de tonalidades muito variadas, complementadas muitas vezes por sinais gráficos característicos.

A ênfase da variação aparece invariavelmente no destaque das diferenças qualitativas de um fenômeno ocorrido numa área, para o fenômeno que varia em outra área, e assim por diante. Como exemplos de mapas temáticos de notação podemos citar: geológico, pedológico, uso da terra, etnográfico, oceanográfico, etc..

- Estatística.
Os elementos primários do tema que serão elaborados cartograficamente, são originários da técnica estatística, tanto no que se refere aos elementos físicos, quanto aos elementos humanos.

Assim, se caracterizam nesta área, os mapas de densidade, os de distribuição por pontos, os de fluxo, os pluviométricos e mapas de isolinhas.

- Síntese.
Tem a finalidade explicativa, em que a representação de um fenômeno, em conjunto, é realizada mediante as suas relações externas.

Os mapas de síntese expressam "o conjunto dos elementos de diferentes fatos ou fenômenos", formam uma abstração intelectual, apresentando-se de forma global.

Podem ser considerados de síntese os mapas econômicos complexos, os de áreas homogêneas, os morfo estruturais, os geomorfológicos, os históricos etc..

(3) - Barbosa, Rodolfo Pinto - Revista Brasileira de Geografia, v. 29, nº 4 , out./dez.1967.


Figura 4.8 - Potencialidade agrícola dos solos



Figura 4.9 - Densidade da população

3 - INTERPRETAÇÃO E UTILIZAÇÃO

A existência dos mais diversos tipos de cartas e mapas permite aos usuários das mais variadas formações profissionais, através da utilização desses documentos cartográficos, desenvolver estudos, análises e pesquisas relativos à sua área de atuação. São também fundamentais como instrumento de auxílio ao planejamento, organização e administração dos governos.

Aplicabilidade de alguns dos principais produtos cartográficos elaborados na Diretoria de Geociências do IBGE.

1) Mapeamento Topográfico Sistemático: Congrega o conjunto de procedimentos que têm por finalidade a representação do espaço territorial brasileiro, de forma sistemática, por meio de séries de cartas gerais, contínuas, homogêneas e articuladas.

São folhas das cartas topográficas nas escalas 1:25.000, 1:50.000, 1:100.000, e 1:250.000, e geográfica na escala 1:1.000.000. Compõem a Mapoteca Topográfica Digital - MTD (Base de dados cartográficos em meio digital).

Aplicabilidade:

- Suporte ao mapeamento temático e especial.
- Suporte ao mapeamento náutico, aeronáutico, rodoviário e ferroviário.
- Suporte ao planejamento em diversos níveis.
- Suporte ao mapeamento de unidades territotiais (Estado, Municípios e outros).
- Legislação de estruturas territoriais, regional e setoriais.
- Base para ante-projetos de engenharia e ambientais.
- Subsídios para identificação das divisas internacionais
- Monitoramento ambiental.
- Estudos e projetos governamentais
- Cadastros e ante-projetos de linhas de transmissão.
- Posicionamento e orientação geográfica.
- Identificação e classificação dos estados, territórios e municípios beneficiados com "royalties" de petróleo, na faixa de fronteira situados na Zona Costeira.
- Previsão de safras agrícolas.
- Outros.

2) Mapeamento Temático: Objetiva produzir documentos cartográficos, em escalas compatíveis com os levantamentos dos aspectos físicos e culturais, quanto à ocorrência e distribuição espacial.

São bases cartográficas em diversas escalas para subsidiar várias atividades de projetos, tais como: mapa índice, planejamento cartográfico e preparo para impressão, visando os seguintes produtos: Mapas temáticos, Mapas Murais, Atlas e Cartas especiais.
Aplicabilidade:

- Subsidiar estudos e projetos em áreas específicas como:
- Recursos naturais e meio ambiente
- População
- Comércio e serviços
- Outros
- Suporte didático-pedagógico.

3) Mapeamento das Unidades Territoriais: Objetiva a representação cartográfica do Território Nacional, enfatizando a divisão político-administrativa.

São mapas e cartogramas políticos Nacional, Regionais, Estaduais e Municipais. Mapas municipais, mapas para fins estatísticos e bases cartográficas em diversas escalas.

Aplicabilidade:

- Estudos e Projetos Governamentais
- Referenciamento e dimensionamento de obras públicas e privadas
- Estudos de evolução de surtos e endemias
- Comunicações hidro-rodo ferroviárias
- Defesa Civil
- Finalidades científicas e didáticas
- Pesquisas de opinião e de mercado
- Mapeamento Temático.

4) Atlas: Apresentam, através de sínteses temáticas, uma visão geográfica do território, nos seus aspectos físicos, políticos, sociais e econômicos.

Produtos: Atlas Nacional, Atlas Regional e Estadual, Atlas Geográfico Escolar.

Aplicabilidade:

- Conhecimento da realidade, tendências e transformações do espaço brasileiro
- Instrumentalizar o sistema de planejamento na gestão territorial;
- Material didático;
- Intercâmbio internacional;
- Fonte de referência para estudos e pesquisas.